(Page 3)

  • Cinco vantagens de um seguro de saúde

    Hoje em dia é impensável confiar apenas no Serviço Nacional de Saúde (SNS), não só porque está longe de ser gerido de forma ideal mas também porque esta tem sido uma das áreas mais sacrificadas à custa da redução do endividamento do Estado. Outras vias há por onde baixar a factura da República Portuguesa, todavia, nem são consideradas, o que deixa um sector absolutamente vital como a saúde de restos. Perante a actual situação é necessário tomar medidas que garantam o nosso auxílio em caso de problemas no futuro e o melhor caminho para assegurar essa ajuda é recorrendo a um seguro de saúde. No passado este género de serviços foi relegado para um segundo plano, no entanto, o momento de urgência vivido no presente relançou a importância de possuir esta salvaguarda. Se está indeciso relativamente à aquisição deste produto leia atentamente as cinco dicas que agora enumeramos e comprovam a utilidade de subscrever uma apólice desta natureza. 1. Tem sempre uma linha telefónica disponível para o ajudar na eventualidade de surgir algum problema. Esse canal directo de apoio encontra-se habitualmente activo sem quaisquer paragens, incluindo atendimento nocturno, fins-de-semana e feriados. É um préstimo 24 horas por dia, 365 dias […]

     
  • Caixa Seguros ganha estatuto de entidade pública

    Os fundos do ramo segurador da Caixa Geral de Depósitos deverão ganhar novo fôlego muito em breve com a sua “reforma” para entidade pública, numa estratégia de mercado que antecede a já confirmada privatização. A notícia foi avançada esta terça-feira por diversos meios de comunicação de referência e tem por base a minuta oficial divulgada pela “troika” na sequência da avaliação realizada pela equipa de resgate financeiro responsável pelo acompanhamento da situação dos bancos nacionais. A passagem da Caixa Seguros a entidade 100 por cento pública decorre da necessidade de reforçar os capitais da instituição com a utilização de recursos próprios, dado que lhe está vedado o acesso aos 12 mil milhões de euros previstos no empréstimo concedido ao país. Isto porque o montante em causa, cuja activação ocorrerá apenas em último caso, encontra-se destinado exclusivamente ao sector bancário privado, não contemplando, por isso, a instituição pública. O aumento de capitais imposto pela “troika” assume desta forma contornos práticos na Caixa Seguros e terá efeitos directos na gestão do Grupo Caixa Geral de Depósitos, naquele que é o passo inaugural com vista a tornar a instituição (mais) atractiva para os investidores que a médio prazo devem começar a apresentar as […]

     
  • Médis lança Médiscall

    A Médis acaba de lançar o MédisCall, disponível através do site www.medis.pt, um novo serviço de atendimento telefónico personalizado que visa esclarecer visitantes do site sobre Planos de Saúde Médis, bem como realizar simulações. Este serviço, completamente gratuito, está disponível todos os dias úteis das 9h às 17h sendo, no entanto, possível fora destes horários o agendamento que permite aos Clientes serem contactados, de acordo com o dia e hora mais conveniente. O MédisCall vem enriquecer os serviços da Médis, que contam desde sempre com a Linha Médis, cuja missão é a de triagem, acompanhamento, esclarecimento e encaminhamento clínico dos Clientes. Com este novo serviço integrado em medis.pt, a Médis continua a prosseguir o objectivo de ser uma referência na Saúde no mercado Português.

     
  • Dicas fundamentais para escolher um seguro de saúde

    Os anos em que o Estado zelava pela saúde dos seus cidadãos já vão longe. Embora os impostos aumentem agora mais do que nunca, os serviços em troca desse dinheiro dado a fundo perdido ao Governo são diminutos e as preocupações desta máquina estatal (que o é, pois desumaniza aqueles por quem deveria olhar) são meramente financeiras. É devido à nova ordem de prioridades dos políticos e das políticas que existe hoje em dia a necessidade de recorrer a alternativas mais fiáveis de olhar pela nossa saúde, o que em Portugal significa adquirir um plano de saúde a entidades privadas. Quer isto dizer que têm de ser efectuados alguns cálculos extra para saber qual o orçamento disponível e quais as ofertas de mercado que melhor se adequam às necessidades de cada um. A primeira etapa nesse sentido é analisar cautelosamente as empresas a operarem em território nacional, a sua reputação e serviços que facultam. Todos estes aspectos devem ser tidos em atenção de acordo com o capital que é possível dispensar mensalmente e o que é contratado, ou seja, o custo/benefício da aquisição. Mas para que não inicie essa busca sem ajuda, mencionamos em seguida três conselhos úteis para conseguir […]

     
  • Seguradoras analisam dados clínicos após a morte

    Vários foram os cidadãos que já apresentaram queixas junto da Comissão Nacional de Protecção de Dados (CNPD), alguns dos quais com processos entretanto iniciados nos tribunais, contra empresas de seguros que estão a aceder a informações clínicas dos tomadores das apólices para se decidirem sobre a activação da mesma. A prática que se tornou habitual entre várias das entidades do sector a actuarem em solo nacional é realizada de forma legítima mas as opiniões de especialistas e associações de defesa dos consumidores defendem que essa acção é permitida devido a uma cláusula que deve ser considera nula por respeito aos clientes. Em causa está a não especificação ou aviso expresso aos titulares dos contratos, aos quais não estará a ser salientado que assinar o acordo com permissão de acesso livre a dados clínicos após o falecimento do segurado garante que a empresa pode consultar o histórico deste último, sem quaisquer tipos de restrições. De acordo com a CNPD este pressuposto contratual não tem validade porque, defende, para que a consulta desse tipo de informações seja autorizada, o cliente deve assinar o referido consentimento num contrato anexo que tenha claramente frisado esse aspecto. A associação relembra que esses dados são do […]